Como em todo esporte de alto rendimento, a alimentação é uma das principais partes que compõem o treino. E, para torná-lo cada vez mais eficaz, é essencial ter alinhado o seu gasto energético com o consumo calórico, seja para competir ou treinar.

Os bons resultados são a soma de treino, com alimentação e descanso. Nesse texto você irá saber 5 dicas imprescindíveis de alimentação no ciclismo (e uma bônus!). No final, comente se você já sabia de tudo e quais dicas acrescentaria, beleza?

#01 PROCURE ORIENTAÇÃO DE UM PROFISSIONAL

A dica inaugural não poderia ser outra. O primeiro passo para saber como se alimentar da maneira correta é procurar um profissional da saúde (nutricionista, endocrinologista, nutrólogo). Não é porque o seu amigo ou treinador faz a “Dieta X” que esse protocolo irá servir pra você também. Cada pessoa tem a sua individualidade: biotipo, rotina, histórico de saúde, altura, entre outros aspectos que tornam cada ciclista singular. Seu corpo não é uma máquina. É essencial entender como ele funciona para poder dar nutrientes que o atendam da maneira mais assertiva. Somente um profissional poderá informar qual a quantidade de calorias, carboidratos, proteínas, lipídios (gordura), fibras e demais nutrientes que o seu corpo precisa.

#02 ESTUDE E ENTENDA A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO NO CICLISMO

A escolha dos alimentos reflete diretamente no desempenho sob as duas rodas. As consequências de uma alimentação desregulada podem interferir, sobretudo, na saúde física do atleta. As dores musculares e o mau funcionamento do organismo são sintomas comuns quando a dieta não está alinhada. Ingerir carboidratos, proteínas e antioxidantes é primordial, seja por esporte ou lazer. Os carboidratos são responsáveis pelo fornecimento de energia para as células. Enquanto as proteínas são essenciais para a reparação dos tecidos e a reposição do gasto energético. Já os antioxidantes combatem radicais livres, que podem causar envelhecimento precoce, morte molecular e outras doenças.

#03 AFINAL, O QUE CONSUMIR?

Como mencionamos no item anterior, o consumo equilibrado de carboidratos, proteínas e antioxidantes é essencial para o bom desempenho. São exemplos de carboidratos complexos: batatas, pães integrais, macarrões integrais, banana, arroz, mandioca, aveia. Dentre as melhores proteínas destacamos: carnes, ovos, leite, peixes, aves, feijão, ervilha, grão de bico, brócolis. Os alimentos antioxidantes que mais auxiliam no ciclismo são: açafrão/cúrcuma, azeite de oliva, frutas cítricas, frutas vermelhas, linhaça, mamão, abacaxi, pepino, suco de uva, pimentão, cenoura, espinafre, entre outros. A suplementação entra como um complemento da boa alimentação. O seu nutricionista também irá orientá-lo quanto às melhores escolhas, mas entre as mais comuns estão: pré-treino, creatina, gel de carboidrato, BCAA e whey protein.

#04 O QUE NÃO CONSUMIR?

Para todo e qualquer esporte, algumas orientações são básicas. No caso do ciclismo, a ingestão de alimentos muito pesados e ricos em gordura exigem mais esforços do organismo para digeri-los, o que certamente compromete a sua performance. Após o consumo, o fluxo sanguíneo se concentra no processo digestivo e não se espalha para o resto do corpo enquanto exercitado. Pedalar após consumir esses alimentos pode causar desconforto gastrointestinal.

#05 E QUANTO À HIDRATAÇÃO?

Para todos os sentidos da vida e do corpo humano a hidratação é um dos fatores mais importantes. Jamais negligencie o consumo de água, pois esse é o combustível do funcionamento do organismo, além de oferecer incontáveis benefícios, como: regular a temperatura corporal; auxílio contra a acne, estrias e celulite; melhora o funcionamento dos rins; facilita a digestão; diminui o inchaço; melhora a circulação sanguínea.

#DICABÔNUS: EQUILÍBRIO EM CIMA E FORA DA BIKE

A dica bônus é: mantenha o equilíbrio. Nada em excesso dá certo, nem pra mais e nem pra menos. Consumir pouco carboidrato com medo de engordar pode ser um tiro no pé contra a sua performance. Ao mesmo passo de que exceder na ingestão de álcool durante o final de semana pode comprometer boa parte dos seus treinos da semana seguinte. Encontre a temperatura ideal, não restrinja demais a sua alimentação e nem consuma valores pra mais desnecessariamente. Nosso corpo e mente andam juntos e ter uma vida social é essencial para se manter focado e evitar episódios de compulsão. O corpo precisa de dias off e alimentações off também, desde que isso seja a exceção e não a regra.

E aí, tem mais dicas de alimentação no ciclismo que você gostaria de compartilhar com a galera da Benve? Comente aqui embaixo!